terça-feira, 31 de julho de 2012


No Rio Grande do Norte, caprinos salvam o semiárido durante a seca


Mais que uma forma de subsistência, a atividade pode representar a redenção do sertanejo e a geração de negócios mais prósperos.


Sandra Monteiro

Natal – Na paisagem seca do semiárido potiguar, castigada ainda mais pela estiagem que atinge vários municípios do Nordeste, alguns animais resistem e são apontados como uma saída para a sobrevivência e manutenção do homem no campo. Mais que uma forma de subsistência, a criação de caprinos e ovinos pode representar a redenção do sertão e a geração de prosperidade.



O Rio Grande do Norte tem o sexto maior rebanho de caprinos do Nordeste, com 405 mil animais. Já o rebanho de ovinos está estimado em 583 mil cabeças. Os dados são da Pesquisa da Pecuária Municipal de 2010, do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Na região oeste do Rio Grande do Norte, onde se concentra mais da metade do rebanho de caprinos e mais de 40% dos ovinos do estado, a venda de animais para corte é uma alternativa viável e lucrativa.

No sítio Carrasco, zona rural de Apodi, município com mais de 28 mil cabeças de caprinos, Francisco de França mostra que a caprinovinocultura é um bom negócio. Criador de médio porte, com mais de 400 animais, ele explica que pretende ampliar a área de pastagem para elevar a produção e atender a demanda de consumidores, que só aumenta. Atualmente, uma média de 20 animais, com cerca de 13 quilos, são abatidos mensalmente. O quilo da carne é comercializado a R$ 8,00. “Apesar da seca que atinge toda essa região, estou muito satisfeito com os resultados que a atividade me dá. Quero aumentar em três vezes a quantidade de animais”, revela.

Os animais de Apodi são abatidos e comercializados, em sua maior parte na própria região, mas abastecem ainda supermercados e frigoríficos de Mossoró e Natal. Para estimular ainda mais o consumo da carne caprina e o fortalecimento da atividade na região, o Sebrae no Rio Grande do Norte, por meio do Projeto Aprisco no Oeste e Sertão do Cabugi, promoverá ações de estímulo durante a Festa do Bode, evento que será realizado de 2 a 5 de agosto, em Mossoró.

Além do tradicional Festival Gastronômico, serão promovidas oficinas para proprietários de frigoríficos sobre cortes especiais. “A atividade possui um elevado potencial, que pode ser melhor explorado. Com as ações que vamos oferecer durante o evento, pretendemos estimular ainda mais o consumo da carne de caprino e assim promover o aumento da demanda”, ressalta Vamberto Torres, gestor do Projeto Aprisco no Oeste e Sertão do Cabugi.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Aventura Selvagem em Cabaceiras - Paraíba

Rodrigo Castro, fundador da Associação Caatinga, da Asa Branca e da Aliança da Caatinga

Bioma Caatinga

Vale do Catimbau - Pernambuco

Tom da Caatinga

A Caatinga Nordestina

Rio São Francisco - Momento Brasil

O mundo da Caatinga