domingo, 18 de novembro de 2012


Presidente lança plano para combate à estiagem.


Conforme anunciou na última visita àBahia, na sexta-feira, a presidente Dilma Rousseff lançou, nesta terça-feira, 13, o programa Mais Irrigação, que prevê investimentos de R$ 10 bilhões para regiões afetadas pelos efeitos da seca - do volume de recursos, R$ 3 bilhões serão oriundos do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) e R$ 7 bilhões, da iniciativa privada.


Portal A TARDE

     Programa Mais Irrigação prevê investimentos de R$ 10 bilhões

"Vamos derrotar a seca e vamos usar para isso o que há de melhor na tecnologia, não vamos medir esforços, tenho certeza de que esse é um projeto que seremos bem-sucedidos", disse a presidente, durante solenidade no Palácio do Planalto.

Dilma lança o programa quatro dias após inaugurar a Adutora do Algodão no município de Malhada (BA), que vai levar água do Rio São Francisco para mais de 100 mil pessoas de nove municípios.

O Mais Irrigação deverá atingir 538 mil hectares de área rural voltados para a produção de biocombustíveis, fruticultura, leite, carne e grãos. "Uma das características do Mais Irrigação é a busca de mais eficiência para melhor investir. Eu acho que ele é um passo à frente de todas as iniciativas que tínhamos tomado no PAC. E falo da eficiência para obter uma maior produção agrícola, maior renda gerada naquela região pobre do País, e da operação adequada dos projetos de irrigação", destacou Dilma.

"Os males provocados pela estiagem, se ainda são muitos e se ainda são extensos, temos o absoluto compromisso de superá-los, estão sendo enfrentados com firmeza".

Polêmica - Apesar da insistência dos jornalistas, a presidente Dilma Rousseff evitou comentar, na solenidade, sobre o jantar que teve segunda-feira com o presidente do PSD, Gilberto Kassab. Mas o encontro já provoca polêmicas.

O tucano Alberto Goldman, vice-presidente do PSDB, publicou em seu blog um texto no qual reprovava a atitude de Kassab. "Já me perguntaram se eu fiquei surpreso com a rapidez com que Kassab aderiu (à base aliada governo federal). Bem, nessa altura da vida eu não tenho o direito de ficar surpreso com qualquer atitude de quem quer que seja", disse.

Fonte para edição no Rema:
Ruben Siqueira
Comissão Pastoral da Terra / Bahia
Articulação Popular São Francisco Vivo



COMENTÁRIOS

João Suassuna - Pesquisador da Fundação Joaquim Nabuco,Recife

Ao invés de priorizar o agronegócio, as ações governamentais deveriam estar voltadas para a solução do abastecimento da população difusa, o qual, infelizmente, ainda não foi resolvido no Nordeste seco!

José do Patricínio Tomaz Albuquerque - Consultor e Professor aposentado da Universidade Federal de Campina Grande.

Prezado João Suassuna

Já dizia, ainda na década de 40 do século passado, o Professor Nicolau
(Programa Escolinha do Prof. Nicolau, levado ao ar pela Rádio Borborema de
Campina Grande-PB): a ignorância é uma bandeira desastrada. No caso, a
presidente ignora tudo o que se relaciona com o Nordeste Semiárido (apesar
de ter inaugurado o INSA – Instituto do Semiárido, ela o desconsidera
solenemente): com a dimensão do problema da seca em termos de área atingida
e problemas econômicos e sociais consequentes; com o alcance da irrigação no
modelo praticado atualmente na região (no Ceará, estado com a maior área
irrigada, a quebra da safra de grãos foi de 83,41% segundo o Levantamento
Sistemático da Produção Agrícola –LSPA, realizado pelos órgãos estatais, o
que significa dizer que a produção de grãos por irrigação, da ordem de
235.800 toneladas não supre as necessidades de sua população, abastecida
pelos cultivos de subsistência, cuja produção atinge 1.200.000 toneladas);
com a vulnerabilidade de certos sistemas de abastecimento urbano, a despeito
da existência de reservatórios superficiais capazes de substituí-los com
segurança, qualquer que seja a duração do evento seca; com a falta de
abastecimento, igualmente seguro (como o amigo frisou e que poderia e
deveria ser realizado) da população humana difusa, com uma política de
incremento, armazenamento, mercado, escoamento da produção, etc. etc., de
cultivos nativos e adaptados às estiagens; com a implantação de uma
pecuária; com os estudos trabalhos e pesquisa produzidos na região, desde
Guimarães Duque, José Augusto Trindade e outros; com projetos exitosos e
fracassados já implantados, etc. etc. Tudo é esquecido, insistindo-se em
projetos de nenhum ou pequeno alcance na solução dos problemas causados pela
Seca. Ora, insistir no erro é diabólico, diz o ditado. Mas, o que esperar de
governantes que, tendo limitações de conhecimento, não procuram ouvir, medir
e avaliar outras opções de solução para poder decidir? Nada!

Abraços,
Patrocínio

Clóvis Cavalcanti - Coordenador Geral da área de Meio Ambiente da Fundação Joaquim Nabuco, Recife

Seu amigo está certo. Dirceu Pessoa e eu pesquisamos a seca de 1970. Nosso relatório (para a Sudene), de 1971, aborda o assunto. A mesma coisa aconteceu nos relatório sobre a seca de 1979-1984, que também pesquisamos. Sem contar trabalhos de Osmil, Renato Duarte e outros. A seca é para ser cuidada fora da seca; não na emergência da seca. Dissemos isso em 1971. Quem conhece trabalhos assim?

Abraços,

Clóvis.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Aventura Selvagem em Cabaceiras - Paraíba

Rodrigo Castro, fundador da Associação Caatinga, da Asa Branca e da Aliança da Caatinga

Bioma Caatinga

Vale do Catimbau - Pernambuco

Tom da Caatinga

A Caatinga Nordestina

Rio São Francisco - Momento Brasil

O mundo da Caatinga