sábado, 10 de novembro de 2012


Nordeste tem déficit de geração de energia


Para especialistas, faltam investimentos na diversificação da matriz energética do Nordeste.

http://www.opovo.com.br/app/opovo/economia/2012/11/03/noticiasjornaleconomia,2947791/nordeste-tem-deficit-de-geracao-de-energia.shtml

 

Até o último dia 30 de outubro, a pior situação estava no reservatório de Sobradinho, de propriedade da Companhia Hidro Elétrica do São Francisco (Chesf), com um nível médio de 24%.

Equalizar a geração e o consumo de energia elétrica tem sido um problema cada vez mais difícil de ser revolvido no Nordeste. A realidade da região tem se mostrado ímpar em relação às demais regiões brasileiras. Enquanto que, por um lado, a demanda de consumo continua crescendo, servindo de subsídio para manter aquecidos vários segmentos da economia, por outro os investimentos no setor elétrico no Nordeste têm ignorado as potencialidades de oferta em fontes complementares de energia, segundo especialista ouvido por O POVO.

Para agravar a situação de déficit, a seca severa que atinge a região reduziu o nível dos reservatórios que abastecem as usinas hidrelétricas. O resultado da combinação de fatores é a dependência no fornecimento de energia produzida em outras regiões, além da ativação de usinas termelétricas. Prova disso, é que em 2011, a importação da região Norte alcançou 10.262 MW médio e da região Sudeste 9.009 MW médio, de acordo com levantamento da Empresa de Pesquisa Energética (EPE) divulgado no Anuário Estatístico de Energia Elétrica 2012.

Em setembro desse ano, conforme dados do Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS), a demanda mensal elétrica do Nordeste alcançou o maior consumo do ano. Foram 10.616,93 MWh, um montante superior em 6% ao mesmo consumo registrado em setembro de 2012. Enquanto a demanda só cresce, por outro lado, a situação dos reservatórios das usinas hidrelétricas, responsáveis por abastecer a região, segue em um ritmo contrário. Nesse momento, o nível dos reservatórios da bacia do São Francisco está próximo da situação crítica.

Segundo o relatório de monitoramento do ONS, as usinas hidrelétricas instaladas na bacia do rio São Francisco são responsáveis por quase 97% do abastecimento de energia do Nordeste. A dependência, quase que exclusiva da matriz hidráulica, tem aumentado a vulnerabilidade da região, segundo o professor do Departamento de Engenharia Elétrica da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE), Heitor Scalambrini. Segundo o especialista, “a população está pagando pelo fato de nós não termos diversificado a nossa matriz energética regional”.

“Hoje, nós dependemos quase completamente das hidrelétricas. Nós estamos saturados e estamos com déficit de energia na região Nordeste. Esse foi o erro estratégico da Chesf (Companhia Hidro Elétrica do São Francisco) por não diversificar essa matriz”, afirma. Para o especialista, uma das alternativas seria investir em fontes complementares como a geração eólica e a solar. “É inconcebível na região Nordeste, que tem mais de três mil horas de luz do sol e ventos abundantes, nós não utilizarmos mais esses recursos para gerar energia. Nós somos uma região privilegiada, mas do ponto de vista solar, a contribuição na matriz é zero”, analisa o professor da UFPE.

A falta de valorização das fontes complementares tem tornado ainda mais crítica a geração de energias em determinadas épocas quando a falta de chuvas é predominante, como em 2012. Atualmente, conforme o monitoramento feito em todas as usinas hidrelétricas do País, os reservatórios da bacia do rio São Francisco estão com o nível de armazenamento de apenas 34%. O índice é o mais baixo entre todas as regiões do País.

As condições atuais dos reservatórios de Sobradinho, Três Marias e Itaparica foram responsáveis por acender o sinal de alerta na sala de controle do ONS. Até o último dia 30 de outubro, a pior situação estava no reservatório de Sobradinho, de propriedade da Chesf, com um nível médio de 24%. No mesmo período do ano passado, a reserva hídrica de Sobradinho era de 44%. O reservatório é responsável pelo abastecimento de mais de 31% da energia que é consumida no Nordeste.

A Chesf, responsável pela geração e transmissão de energia no Nordeste foi procurada por O POVO. Em nota, a assessoria apenas informou que a produção nas usinas hidrelétricas já foi reduzida devido ao baixo nível dos reservatórios. (MA)

ENTENDA A NOTÍCIA

O déficit entre geração e consumo obrigou a importação de energia de outras regiões. Com o baixo nível dos reservatórios das usinas hidrelétricas da bacia do rio São Francisco, o ONS ativou a operação das termelétricas.

6%

é o percentual de crescimento no consumo de energia na região Nordeste em setembro de 2012, em comparação com 2011.

 

Sobre o assunto:

O apagão voltou! artigo de João Suassuna

http://www.remaatlantico.org/Members/suassuna/artigos/o-apagao-voltou-artigo-de-joao-suassuna/view

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Aventura Selvagem em Cabaceiras - Paraíba

Rodrigo Castro, fundador da Associação Caatinga, da Asa Branca e da Aliança da Caatinga

Bioma Caatinga

Vale do Catimbau - Pernambuco

Tom da Caatinga

A Caatinga Nordestina

Rio São Francisco - Momento Brasil

O mundo da Caatinga