terça-feira, 13 de novembro de 2012


Jornal O POVO, de Fortaleza, publica especial sobre seca


A edição deste domingo, 11, do O POVO traz o especial Planeta Seca. Uma grande reportagem, em 16 páginas, sobre a estiagem de 2012 que tomou conta de 178 municípios cearenses.


O documento atualiza a discussão sobre um recorrente fenômeno natural que faz parte do dia a dia de quem mora no semiárido brasileiro. Mais presente do que a ocorrência das chuvas.

Configuração

Dizer que não há uma nova configuração de cenários do Interior do Nordeste é ser injusto. Mas a a falta de políticas permanentes e de transferência de renda, assim como insegurança alimentar e a insustentabilidade hídrica ainda fazem padecer pelo menos 1 milhão e 800 mil pessoas. Fora os animais silvestres e os rebanhos bovino, caprino e ovino.

Repórteres do O POVO percorreram mais de 2 mil quilômetros entre as quatro regiões mais devastadas pela seca deste ano. Os signos que compõem o imaginário em torno da estiagem são os mesmo, porém as estratégias que vêm sendo implantadas pedem mais complexidade na observação.

COMENTÁRIOS

Cássio Borges - Engenheiro aposentado do DNOCS

Caros amigos

Envio-lhes esta matéria publicada, domingo, dia 11, no Jornal O Povo, de Fortaleza intitulada Planeta Seca. O que me causa indignação é que se passaram anos a fio com muito blá-blá-blá dos “salvadores da pátria” com fórmulas mirabolantes que somente agora neste ano de 2012 se desnuda com este horripilante quadro da realidade nordestina que não se pode mais esconder. Estão a olhos vistos, como mostra esta reportagem do referido Jornal. Obras como o Açude Castanhão, o Canal da Integração e a propalada Gestão das Águas incrementada pela COGERH eram apontadas como solução definitiva para o secular problema das secas no Estado do Ceará. Falou-se em mais de duas dezenas de anos no Canal do Rio São Francisco mas este até agora ficou só nas promessas. Suas obras, atualmente, estão praticamente paralisadas. O Eixo Leste, com 48% e o Eixo Norte, com apenas 19%. Outras obras vão sendo prometidas e esquecidas ao longo do tempo como os “anéis da água”, o “caminho das águas”, a “interligação de bacias”, o “cinturão das águas”, a“mistura de rios” que são expressões românticas que nos induzem a pensar no bonito e no belo.

Nunca se sofismou tanto em matéria de recursos hídricos no Ceará como nestes últimos vinte anos. Pelo que se ouve e se lê na imprensa local, o Estado do Ceará atingiu o“apogeu” da tecnologia no trato da questão da água em regiões semiáridas. Tudo está absolutamente equacionado e sob o mais absoluto controle. O DNOCS já cumpriu o seu papel, dizem os seus mais ferrenhos opositores: “é um órgão muito velho, portanto deve ser extinto”, como afirmou o atual ministro Fernando Bezerra. Mas não é só ele que faz este tipo de afirmação. Em Brasília há uma corrente que, há anos, alimenta este pensamento e advoga a extinção do DNOCS por inanição. E ele já foi extinto em 1999 pelo então presidente FHC. Para que o DNOCS se aqui no Ceará existe a COGERH que, diga-se de passagem, ocupa todos os espaços que a mídia lhe oferece para fazer propaganda institucional em torno dela? Com isso, sem dominar um assunto tão complexo e nem conhecer a realidade (o DNOCS simplesmente se omite), a sociedade pode ser induzida a considerar que o DNOCS pode, realmente, ser dispensado. É uma pura questão de “marketing” que merece, no mínimo, uma discussão.

Segundo os idealizadores desse modelo de gestão dos recursos hídricos (com o Açude Castanhão, Canal da Integração, etc.) não haverá mais seca e nem faltar água em qualquer ponto do sertão cearense. No caso do Projeto de Integração do Rio São Francisco, perdeu-se mais de vinte anos discutindo-se qual a vazão que deveria ser retirada daquele manancial para a região setentrional do nordeste brasileiro. Se tivessem acatado a minha proposta de 50 m3/s a obra já poderia estar concluída. Felizmente, graças ao ex-ministro Ciro Gomes, o projeto definitivo foi reduzido a 26 m3/s e, excepcionalmente, pra 127 m3/s quando a Barragem de Sobradinho estiver com 90% de sua capacidade. Esta última hipótese me parece pouco provável haja vista que na atual seca que assola toda a região nordestina, a Barragem de Sobradinho está com apenas 24% de sua capacidade total de acumulação. Provavelmente quando ela estiver cheia, aqui, também, deveremos ter chuvas abundantes não necessitando, portanto, de aporte de água de outra região. Com 50 m3/s a obra teria uma custo de implantação e manutenção evidentemente muito menor.

Já que falamos no Açude Castanhão, o mesmo foi construído para acumular 6, 7 bilhões de m3 de água. Eu o defendia com uma capacidade de 1,2 bilhão de m3 que, inclusive evitaria a inundação da cidade de Jaguaribara. Em contrapartida, o Açude Aurora seria construído no Rio Salgado com 800 milhões de m3. Esta minha proposta, lamentavelmente, também não foi aceita. O Rio Salgado continua sem controle. Vendo o quadro da Situação dos Açudes Públicos Construídos pelo DNOCS, elaborado, diariamente, por uma equipe constituída de dois engenheiros e de dois auxiliares daquele Departamento Federal, observa-se que o Açude Castanhão, em 31 de outubro p. passado, estava com uma acumulação superior a sua capacidade de regularização (cota 100m) que é de 4,5 milhões de m3. Ele estava, portanto, cheio, com 4,9 bilhões de m3. Enquanto isto, o Açude Orós estava com 88,12% de sua acumulação total que é de 2,0 bilhões de m3. Como se sabe, ambos reservatórios foram construídos no leito principal do Rio Jaguaribe distando um do outro em apenas 150 quilômetros, aproximadamente. Dessa situação, se vocês me permitirem, tiro a seguinte conclusão: O Açude Orós perdeu a sua finalidade. Hoje é um mero repassador de vazões para o Açude Castanhão, como que estivesse servindo apenas para compensar a evaporação deste.

Ao concluir este desabafo, que peço desculpas aos meus web-leitores, só gostaria de lembrar a construção da Adutora do Oeste no sertão pernambucano, projetada e construída pelo DNOCS, transportando do Rio São Francisco uma vazão de apena 1 m3/s (eu disse, hum metro cúbico por segundo) atendendo a 41 municípios (cidades, vilas e povoados). Portanto, para se“conviver” com a seca não é preciso obras miraculantes como é o caso do Açude Castanhão e o Canal da Integração que foi projetado e está sendo concluído para transportar 26 m3/s. Até o ano passado tudo parecia que o setor de abastecimento de água no Estado do Ceará estava muito bem. A seca deste ano de 2012 veio mostrar a face cruel de uma realidade que se procurava esconder, ou ignorar, ou iludir-se e cobrar das autoridades o seu alto preço pela imprevidência. Cássio

P.S. – Posteriormente, vou explicar porque a Usina de Belo Monte que está sendo construída no Rio Xingu, no Pará, tem tudo a ver com a solução da problemática da seca na região nordestina.

João Suassuna - Pesquisador da Fundação Joaquim Nabuco, Recife.

Na minha humilde avaliação, a ficha do Dr. Cássio Borges, ferrenho defensor da transposição do rio São Francisco, só caiu agora. Demasiadamente tarde!

João Bosco Carbogim - Presidente da Fundação Brasil Cidadão, Fortaleza

Olá, João, bom dia. Vi ontem a matéria em questão e li o desabafo do Borges.

É a tragédia dos comuns mais uma vez acontecendo. O dinheiro? O gato comeu...

Agora, lamentável é que os caras andam 2 mil km, ressuscitam aquela imagem

do Nordetes pedinte, vítima das secas secas, das secas verdes, das secas sem vergonha,

as secas políticas e, simplesmente, se "esquecem" de "ambientalizar" o assunto.

A falta dágua é só uma consequência. Enfim, essas tragédias anunciadas, enquanto

o meio ambiente não for levado a sério, continuarão seu eterno ciclo. E os "comuns"

pagando a conta.

Que pena gastar tanto papel pra se lamentar. João Bosco Carbogim

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Aventura Selvagem em Cabaceiras - Paraíba

Rodrigo Castro, fundador da Associação Caatinga, da Asa Branca e da Aliança da Caatinga

Bioma Caatinga

Vale do Catimbau - Pernambuco

Tom da Caatinga

A Caatinga Nordestina

Rio São Francisco - Momento Brasil

O mundo da Caatinga