domingo, 24 de novembro de 2013

Plantio de culturas de subsistência no Semiárido nordestino: um caso a ser repensado.

Artigo de João Suassuna

O plantio de milho e feijão, na dependência de chuvas, no Nordeste Semiárido, é uma atividade que não faz parte das nossas propostas de convivência com o clima da região. O clima semiárido é muito irregular, no tocante à caída das precipitações, portanto, inadequado ao cultivo de tais culturas, quando plantadas em regime de sequeio (na dependência única e exclusiva das chuvas). Não assinaria embaixo uma proposta como essa, que viesse a pôr em risco o sustento e a vida do cidadão que reside no Polígono das Secas.

Em recente entrevista na mídia, Manelito Dantas Vilar, proprietário da fazenda Carnaúba, localizada no município de Taperoá (PB), no Semiárido paraibano, fez comentários sobre a loteria existente na caída das chuvas no Cariri do Estado, fazendo referência à semelhança existente com as precipitações de Paris, na França. Segundo ele, em Paris, as precipitações alcançam um volume médio anual de cerca de 600 mm, equivalente ao que é precipitado na região de Taperoá, em igual período. Apenas salientou uma diferença fundamental: as chuvas de Paris ocorrem em 183 dias, de forma bem distribuída no tempo e no espaço.  Já as do Cariri paraibano ocorrem em cerca de 42 dias, no máximo, portanto concentradas irregularmente em curto período de tempo. Essa característica é imperiosa de ser observada, pois é, com ela, que advêm todas as impropriedades de se plantar, na região, as culturas de subsistência, que necessitam de umidade suficiente, e em momentos bem específicos do desenvolvimento da planta, para a satisfação de seu ciclo biológico de: germinar, se desenvolver, florir e frutificar. Faltando a umidade necessária, em um dos segmentos do ciclo, haverá certamente a quebra da safra das culturas, com as consequências nefastas à vida do produtor rural, tão bem conhecidas por todos nós nordestinos.
 
Uma planta de milho ou de feijão leva, em média, cerca de 90 dias para ser colhida. Na região semiárida, a semeadura dessas culturas costuma ocorrer no dia de São José (19 de março), para ser colhida no dia de São João (24 de junho). É a esperança do sertanejo de vir a ter milho verde no período junino, para a confecção das variadas iguarias de milho, tão apreciadas na região. É por essa razão que as chuvas ocorridas no dia de São José, enchem de esperanças o sertanejo, na crença de um ano com chuvas regulares e, portanto, de boas colheitas.
 
Como produzir grãos numa região com problemas climáticos tão sérios, se podemos produzir, e com competência, a proteína animal em termos de carne e leite e, a partir desses produtos, adquirir os grãos necessários à alimentação, produzidos em outras localidades do país, com condições mais propícias para assim fazê-lo? É uma questão de se adequar uma política agrícola, que efetivamente não temos, a uma realidade regional.
 
A Embrapa vem trabalhando a genética das plantas de milho e feijão, no sentido de torná-las precoces. Esse trabalho tem chegado a resultados interessantíssimos. Recentemente, a instituição desenvolveu nova variedade de feijão Caupi, com ciclo vegetativo inferior a 60 dias. Com esses resultados, a sua intenção é o de aumentar as chances nos plantios dos cultivares, quando realizados em regime de sequeiro, ou seja, a expensas das chuvas que, normalmente, ocorrem na região.
 
Respeitando as intenções da Embrapa nesse trabalho, mas a nossa opinião é a de que, mesmo com a utilização de cultivares precoces, os resultados nele obtidos não irão alcançar o sucesso desejado pelos pesquisadores, pelo simples fato de não haver ainda, na ciência, mecanismos de se fazer chover no momento adequado e nas quantidades volumétricas suficientes para a satisfação dos cultivos. Ora, no caso do Cariri paraibano, as chuvas são concentradas em 42 dias do ano. Nesse diminuto intervalo de tempo, torna-se impossível se prever a caída das chuvas, em volumes suficientes e no momento adequado, necessárias ao cumprimento do ciclo biológico dos vegetais, mesmo com as novas características de precocidade adquiridas. No caso do milho, por exemplo, em linguagem sertaneja, faltará sempre a chuva da “boneca” (fase vegetativa na qual a espiga está formada e os grãos estão em processo de desenvolvimento) e no do feijão o problema irá residir na fase de desenvolvimento dos grãos.
 
Na visão de José do Patrocínio Tomaz Albuquerque, um dos maiores hidrogeólogos do Nordeste, os cultivos de subsistência no Semiárido são importantes, desde que haja aportes hídricos para realizá-los. Segundo ele, “ a alternativa correta na produção de alimentos, não é somente uma (sequeiro), mas a correção das irregularidades que o afetam pelo uso dos recursos hídricos acumulados, seja superficialmente, seja subterraneamente. Além, é claro do incremento do xerofitismo. Porém, sem radicalismos. As águas subterrâneas continuam desconhecidas e, por isso, subestimadas em sua importância na correção de tais irregularidades. Principalmente as contidas nos aquíferos aluviais (há, inclusive, aquíferos aluviais intermitentes, como os rios, cujas águas não são aproveitadas e se perdem, também, por evaporação). Só um programa de pesquisas com sondagens poderia revelar onde e como dispor de todas estas águas subterrâneas dos aquíferos aluviais. Isso e tantas outros estudos e ações governamentais é o que falta para encarar, com relativo sucesso, o problema de nosso Semiárido”.
 
Isso posto, defendemos um novo modelo de exploração agrícola para ser implantado no Semiárido. Esse modelo deve passar, necessariamente, pela exploração racional da capacidade de suporte da região, com a utilização dos elementos biológicos solo, água, plantas xerófilas, e animais adaptados, fugindo, sempre que possível, das culturas de grãos na dependência de chuvas (culturas de sequeiro).
 
A instabilidade climática da região é muito severa, resultando, invariavelmente, em perdas frequentes de safras.
 
Finalizamos essa breve análise, com uma observação feita por Mônica Silveira, repórter da Globo Nordeste, quando da realização da Série sobre a Seca de 2013, editada no mês de maio, no Recife. Numa hora em que estavam recolhendo, na caatinga, as carcaças dos animais mortos pela seca, a repórter se referia aos laticínios produzidos na fazenda Carnaúba, evidenciando a possibilidade de, mesmo em período de seca severa, se “produzir queijos finos no Semiárido, temperados com plantas nativas da Caatinga, direto da região mais seca do Brasil. Segundo ela, delicadeza e sabor para alcançar paladares de quem nem imagina o que é a luta para enfrentar tanta adversidade”.
 
Sobre o assunto:
 
O agrônomo João Suassuna, pesquisador da Fundação Joaquim Nabuco, expõe em Brasília novo modelo de exploração agrícola no Semiárido.
SEMI-ÁRIDO: proposta de convivência com a seca (2002)
As armadilhas do clima (2004)
Aprendendo a conviver com o Semi-árido (2007)
MAPITOBA vem sendo apontada como a nova fronteira agrícola do país
MAPITOBA, a verdadeira região produtora de grãos no Nordeste, em regime de sequeiro.

 O artigo também foi editado no Portal ECODEBATE, no seguinte endereço eletrônico:




SEGURO GARANTIA-BODE, artigo de Clóvis Guimarães Filho
 
COMENTÁRIOS
João Suassuna - Pesquisador da Fundação Joaquim Nabuco, Recife


Esse artigo também foi editado no Portal ECODEBATE, portanto as discussões do assunto já poderão ser realizadas do outro lado do planeta. Escrevi o texto, com o propósito de que seja melhor esclarecido o Seguro Safra, dinheiro que atualmente vem sendo oferecido ao produtor rural do Semiárido nordestino, mediante os frequentes insucessos  que o mesmo vem tendo em suas colheitas.
Existe um estudo da Embrapa afirmando que, safras seguras, nos limites do Semiárido (principalmente de milho e feijão), só ocorrem em 20% dos casos, ou seja, em 10 anos agrícolas, apenas 2 têm relativo sucesso. O restante, invariavelmente, resulta em colheitas pífias.
 
Os dirigentes nordestinos sabem disso, mas, mesmo assim, incentivam o produtor rural no plantio das culturas, porque ele (dirigente) vive a expensas do voto do cidadão agricultor. O Seguro Safra vem a calhar nessa ocasião. Por outro lado, o agricultor residente nos limites do Semiárido, também sabe das possibilidades de insucessos que tem nessa atividade, mas, mesmo assim planta as culturas, pela certeza de ter um dinheirinho fácil, dos dirigentes, para cobrir os prejuízos no campo. E isso vem se tornando uma bola de neve. Não irá acabar nunca! E está viciando o cidadão nordestino. Se a questão é oferecer recurso financeiros para ajudar o produtor rural a implantar seus sistemas de produção, que o faça mediante outra lógica financeira. Por que não instituir uma linha para o atendimento das necessidades agrícolas do produtor, mediante a implantação de sistemas com as tecnologias de convivência com o Semiárido, a exemplo do Seguro Palma Forrageira, Seguro Bode, Seguro Capim Buffel, ou mesmo Seguro Bagaço de Cana? Essas linhas financeiras seriam mais verdadeiras e trariam mais rendas ao agricultor nordestino.
 
Rinaldo dos Santos - Editor Chefe da Revista O BERRO
Prezado Dr. Suassuna,
 
É muito bem colocada essa questão do crédito fácil para culturas que não irão vingar. É uma atitude criminosa, eleitoreira, que precisa ser acusada.
 
O velho ditado, calcado na dura experiência da agricultura de gêneros perecíveis, diz o seguinte: "De cada 10 anos, 1 é ótimo, 2 são razoáveis, 3 são medíocres, 4 são péssimos".
 
Lamentavelmente, é nos anos "péssimos" e "medíocres" que surgem as melhores safras de votos para os governantes.
 
Rinaldo dos Santos
 
 
 
por João SuassunaÚltima modificação 16/09/2013 09:30

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Aventura Selvagem em Cabaceiras - Paraíba

Rodrigo Castro, fundador da Associação Caatinga, da Asa Branca e da Aliança da Caatinga

Bioma Caatinga

Vale do Catimbau - Pernambuco

Tom da Caatinga

A Caatinga Nordestina

Rio São Francisco - Momento Brasil

O mundo da Caatinga