quarta-feira, 7 de junho de 2017


Redução da vazão do Rio São Francisco pode deixar 10 municípios de AL sem água

 

Casal diz que problema na captação e distribuição de água deve afetar cerca de 400 mil pessoas.

Dez cidades do Agreste de Alagoas podem ficar sem água encanada. Assista ao vídeo da matéria, no endereço abaixo:


Por G1 AL, com informações da TV Gazeta

25/05/2017

redução da vazão do Rio São Francisco para 600m³s, que entrou em vigor no dia 18 de maio, pode deixar moradores de 10 municípios de Alagoas sem água. O alerta é da Companhia de Saneamento de Alagoas (Casal).

Durante uma reunião realizada essa semana gestores da Casal, da CBA Águas do Agreste - empresa responsável pela captação e tratamento de água na região Agreste - e representantes da Marinha marinha discutiram alternativas que possam aumentar o volume da água na estação de captação de Traipu. O objetivo da medida é evitar um colapso no abastecimento de água encanada para Arapiraca e outras nove cidades da região.

A estação de Traipu entrou em operação em agosto de 2014. Na época, a quantidade de água que passava pelo poço de sucção das bombas chegava a uma altura de cinco metros. Hoje, está em um metro e vinte centímetros. Os técnicos afirmam que a redução é consequência da diminuição da vazão do Rio São Francisco, situação que pode provocar o colapso.

“A situação é complexa. Das cinco bombas que temos instaladas, só estamos conseguindo colocar para trabalhar duas”, diz o diretor-geral da CAB, Guilherme dias.

Uma das consequências da baixa vazão do rio é o aumento da quantidade de matéria orgânica captada junto com a água. As plantas e algas passam por um filtro e são descartadas pelo sistema.

Para não interromper o fornecimento de água, a Casal instalou duas bombas flutuantes provisórias, a poucos metros da estação. Mas, se a vazão do rio for reduzida ainda mais, as bombas se tornarão inoperantes, informaram os técnicos. Por isso, os executivos da companhia estão buscando outras alternativas.

A Casal apresentou algumas sugestões, como a de abrir um canal perto da margem do rio, para facilitar o aumento do volume de captação, ou instalar as bombas flutuantes após uma ilha no leito do Rio São Francisco. 

Sobre a opção da abertura do canal, a dragagem seria feita entre as duas ilhas que estão fechando a passagem da água para a estação de captação.

O vice-presidente de Gestão Operacional da Casal, Francisco Beltrão, fala que a captação vai ser feita a cerca de 600 metros. “Teremos problemas de navegabilidade, então já estamos nos antecipando para que o empecilho não nos traga um colapso”, explica Beltrão.

Beltrão disse ainda que as chuvas que estão caindo ainda não aliviam a situação do rio. “As chuvas não dão ainda um aumento de volume específico”, diz o vice-presidente de Gestão Operacional da Casal.

Navegabilidade


O representante da Marinha, capitão-tenente Bonfim, comandante da agência fluvial de Penedo, disse que a entidade está preocupada com a navegabilidade do rio. Ele ficou de estudar as propostas e levá-las também aos órgãos ambientais. “Existe uma norma a ser comprida, então o projeto deve ser completo e bem elaborado, para que façamos a avaliação”, completa Bonfim.
saiba mais
Mar avança sobre Rio São Francisco e afeta população ribeirinha em Alagoas     
 

Fonte

Marcos Carnaúba
Eng.º Civil Crea 3034 D - PE/FN
CONFEA R.N. 180160565-3
Tels. 82.99981.6748
E-mail:marcarnauba@gmail.com
Maceió - Alagoas - Brasil
Skype: marcarnauba

Postado há 1 week ago por João Suassuna

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Aventura Selvagem em Cabaceiras - Paraíba

Rodrigo Castro, fundador da Associação Caatinga, da Asa Branca e da Aliança da Caatinga

Bioma Caatinga

Vale do Catimbau - Pernambuco

Tom da Caatinga

A Caatinga Nordestina

Rio São Francisco - Momento Brasil

O mundo da Caatinga