domingo, 2 de julho de 2017


A transposição do Rio São Francisco e a seca no Nordeste. Entrevista com João Abner Guimarães Júnior


Redação



Segundo ele, a cobertura de abastecimento de água nas cidades do Nordeste é de 92%, em condições normais, entretanto, a crise que se instala na seca é basicamente na produção por falta integração com os maiores reservatórios. “No início da década de 1960, as cidades brasileiras tinham sistemas individualizados de energia, isto é, cada cidade tinha sua fonte de energia, mas com o passar do tempo foi feita uma rede de distribuição de energia integrada. O mesmo foi feito com as estradas, com a construção de rodovias federais que integravam várias partes do país, e o mesmo foi feito nas áreas de telecomunicações e internet, mas a distribuição de água continua não sendo integrada no Nordeste. Cada cidadezinha do interior do Nordeste, da Bahia, de Pernambuco, do Ceará, tem um sistema de abastecimento de água isolado. Assim, o sistema capta água de um açude, geralmente de médio porte, o qual em geral foi construído para aquela função específica de abastecer aquela cidade; é um sistema desintegrado”, informa.

Na avaliação dele, os órgãos responsáveis pelo sistema de distribuição de água no Nordeste enfrentam problemas porque estão subordinados às políticas do governo federal. “O que favoreceu para que esses setores ficassem para trás e não buscassem a modernização gerencial do setor foi a dependência que os estados da região têm com a política do governo federal. Então, é incrível que uma companhia de água como a CAERN – Companhia de Águas e Esgotos do RN fique aguardando decisões do governo federal porque ela não tem autonomia para resolver seus problemas. (…) Atualmente, essa dependência com o governo federal está atrelada, justamente, à política da transposição do Rio São Francisco”, denuncia.

Na entrevista a seguir, João Abner apresenta um panorama da situação geral dos reservatórios do Nordeste Setentrional, comenta o funcionamento do Eixo Leste da Transposição do Rio São Francisco na Paraíba e sugere a integração do sistema de distribuição de água via adutoras, a exemplo da experiência “bem-sucedida” de adutoras no Rio Grande do Norte.


João Abner | Foto: Blog Apodiarioo

João Abner Guimarães Júnior é doutor em Engenharia Hidráulica e Saneamento e professor titular aposentado da Universidade Federal do Rio Grande do Norte – UFRN. Sobre a transposição do Rio São Francisco, publicou diversos artigos, tais como A transposição do Rio São Francisco e o Rio Grande do NorteO lobby da transposição e O mito da transposição.

Confira a entrevista.

IHU On-Line — Qual é a situação da seca no Nordeste Setentrional, dada a chuva abaixo da média na região e a seca prolongada dos últimos anos? A seca atual supera as últimas secas?

João Abner Guimarães Júnior — Com certeza a seca atual é a maior desde 1911, quando começamos a ter registros sistemáticos da ocorrência de chuvas na região. Nunca se teve um registro de seca contínuo como este dos últimos cinco anos; o maior registro era de quatro anos. A seca atinge diferentemente diversas atividades, mas a realidade das atividades agropecuárias de sequeiro, contudo, é a mais complexa e a mais difícil, porque essas atividades dependem exclusivamente da chuva. Como é o caso da pecuária extensiva e a agricultura familiar que são diretamente afetadas pela seca. Além disso, a seca gera um problema que está impactando a maior parte da população, que é a questão do abastecimento urbano.

Atualmente estamos vivendo um processo de agudização do problema da seca no Nordeste. O que ocorre é o seguinte: como nós tivemos, no final dos cinco anos de seca, um período com chuvas na normalidade ou um pouco abaixo da normalidade, o déficit de água acumulado nos reservatórios não mudou, ao contrário, ele se manteve. Isso acontece porque quando chove acima da média os reservatórios enchem e quando chove abaixo da média os reservatórios se esvaziam, mas quando chove na média — como agora — o estado dos reservatórios se mantém. Então, estamos entrando em um processo em que quase todos os reservatórios médios e grandes do NE estão com baixo nível de armazenamento de água, e a situação de hoje é pior ou igual à que se tinha na mesma data um ano atrás, isto é, nesse sentido a seca continua.

Portanto, estamos num estado crítico, porque a seca atingiu os reservatórios, eles secaram, e agora para recuperá-los precisamos de alguns anos ou de um ano excepcionalíssimo, com chuvas acima da média. Certamente o efeito dessa seca vai demorar uns dois ou três anos, e creio que para voltar à condição inicial temos ainda pela frente três ou quatro anos.

IHU On-Line — Quais são os reservatórios que estão em uma situação mais crítica e como isso está afetando o abastecimento urbano na região?

João Abner Guimarães Júnior — O quadro geral é de volume morto e comprometimento total dos grandes reservatórios, com exceção dos reservatórios do Rio Grande do Norte, pois a situação do RN é bem melhor e menos grave do que a de todos os outros estados do Nordeste. A segunda maior reserva de água que temos hoje no Nordeste Setentrional — entre o Rio São Francisco e o Parnaíba — está no Rio Grande do Norte, é a Barragem Armando Ribeiro Gonçalves, que tem 450 milhões de metros cúbicos de água. E o maior reservatório dessa Região é o Açude Castanhão, no CE, que tem 6,7 bilhões de metros cúbicos de água de capacidade de armazenamento e se encontra com 350 milhões de metros cúbicos.

Rio Grande do Norte tem a quarta maior reserva de água do Nordeste, que é a Barragem de Santa Cruz do Apodi, que está com um percentual de armazenamento de 30%, enquanto a Armando Ribeiro está com um percentual de 19%. Esses dois reservatórios, estrategicamente localizados no centro do RN, e mais dois outros do interior do estado têm água suficiente para atravessar mais dois anos de seca, mas, infelizmente, essa é uma realidade que não existe nos outros estados da Região.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Aventura Selvagem em Cabaceiras - Paraíba

Rodrigo Castro, fundador da Associação Caatinga, da Asa Branca e da Aliança da Caatinga

Bioma Caatinga

Vale do Catimbau - Pernambuco

Tom da Caatinga

A Caatinga Nordestina

Rio São Francisco - Momento Brasil

O mundo da Caatinga