quarta-feira, 13 de março de 2013


O crescimento da concentração de CO2 e as mudanças climáticas.


Artigo de José Eustáquio Diniz Alves.


[EcoDebate] Em 2008, o ambientalista Bill McKibben fundou a 350.org, um movimento internacional para unir o mundo em torno de soluções para a crise climática. A ideia da 350.org é estimular um conjunto de ações coordenadas que possa pressionar as autoridades mundiais sobre a necessidade do comprometimento político com a redução da emissão de gases de efeito estufa (GEE). A cifra 350 é uma referência a 350 ppm (partes por milhão) de CO2. O número é considerado o limiar de segurança para a quantidade de dióxido de carbono na atmosfera, um índice capaz de evitar uma mudança climática galopante.

Publicado em março 13, 2013 por HC

http://www.ecodebate.com.br/2013/03/13/o-crescimento-da-concentracao-de-co2-e-as-mudancas-climaticas-artigo-de-jose-eustaquio-diniz-alves/




As Conferências Internacionais sobre mudanças climáticas (as COPs) chegaram ao consenso de que 2o C (dois graus centígrados) é o nível de aquecimento global considerado “suportável”, segundo análises científicas. Para tanto, seria necessário reduzir os níveis de emissão de GEE e reduzir a concentração de CO2

na atmosfera para 350 ppm.

Porém, não é isto que está acontecendo. Segundo a National Oceanic and Atmospheric Administration (NOAA), dos Estados Unidos, os níveis de dióxido de carbono na atmosfera saltaram 2,67 partes por milhão (ppm) em 2012, para o montante recorde de 395 ppm. O registro do ano passado só ficou atrás do aumento de 2,93 ppm ocorrido em 1998. Tudo indica que chegaremos a 400 ppm até 2015, o que é um número extremamente crítico.

O principal fator para o crescimento da concentração de CO2 na biosfera foi o aumento do uso de combustíveis fósseis, especialmente nos países em desenvolvimento, como a China e a Índia. As queimadas na Amazônia também contribuíram. Desta forma, as perspectivas da 350.org e as possibilidades de manter o aquecimento global abaixo de 2º C estão desaparecendo.

Um trabalho publicado na revista Science estimou a temperatura global no período geológico chamado de Holoceno, que teve início há cerca de 11 mil anos. Neste período de estabilidade do clima a população mundial passou de menos de 5 milhões de habitantes, no começo do Holoceno, para 1 bilhão de habitantes por volta de 1800. Todavia, o impacto das atividades antrópicas foi pequeno nestes milênios.



Segundo o estudo, a Terra passou por um período de aquecimento que começou há cerca de 11 mil anos e durante 1,5 mil anos, o planeta esquentou cerca de 0,6º C, para se estabilizar durante cerca de 5.000 anos. Todavia, 5,5 mil anos atrás, começou um novo processo de esfriamento, o que ficou conhecido como a “pequena era do gelo”, quando o Planeta ficou 0,7º C mais frio.

Contudo, as tendências se inverteram há 200 anos, com o início da Revolução Industrial e Energética (uso de combustíveis fósseis). O aumento da emissão de GEE fez o Planeta se esquentar nos últimos 200 anos, quando a população passou de 1 bilhão para mais de 7 bilhões de habitantes e a economia cresceu cerca de 90 vezes neste período. Por conta disto, já existem cientistas dizendo que começamos uma nova era geológica, chamada de Antropoceno, ou seja, uma época em que o ser humano passou a influir na composição química da atmosfera e dos oceanos, consequentemente, alterando o equilíbrio dos ecossistemas da Terra.

Há muitas incertezas sobre a magnitude das projeções das mudanças climáticas. De qualquer forma, se nada for feito e se as COPs (Conferências das Partes) não chegarem a um acordo viável, o aquecimento global vai continuar nas próximas décadas, elevando a probabilidade de atingiremos, até 2100, o período mais quente dos últimos 11 mil anos. As consequências podem ser catastróficas. Segundo o princípio da precaução é melhor prevenir do que remediar no futuro. As futuras gerações e a biodiversidade não vão perdoar os erros e o egoísmo das gerações atuais.

Referências:

The Guardian. Large rise in CO2 emissions sounds climate change alarm, 08/03/2013

http://www.guardian.co.uk/environment/2013/mar/08/hawaii-climate-change-second-greatest-annual-rise-emissions

Joe Romm. Bombshell: Recent Warming Is ‘Amazing And Atypical’ And Poised To Destroy Stable Climate That Enabled Civilization, 8/03/2013

http://thinkprogress.org/climate/2013/03/08/1691411/bombshell-recent-warming-is-amazing-and-atypical-and-poised-to-destroy-stable-climate-that-made-civilization-possible/?mobile=nc

350.org

http://350.org/en/mission

José Eustáquio Diniz Alves, Colunista do Portal EcoDebate, é Doutor em demografia e professor titular do mestrado em Estudos Populacionais e Pesquisas Sociais da Escola Nacional de Ciências Estatísticas – ENCE/IBGE; Apresenta seus pontos de vista em caráter pessoal. E-mail: jed_alves@yahoo.com.br

EcoDebate, 13/03/2013

por João Suassuna— Última modificação 13/03/2013 08:36

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Aventura Selvagem em Cabaceiras - Paraíba

Rodrigo Castro, fundador da Associação Caatinga, da Asa Branca e da Aliança da Caatinga

Bioma Caatinga

Vale do Catimbau - Pernambuco

Tom da Caatinga

A Caatinga Nordestina

Rio São Francisco - Momento Brasil

O mundo da Caatinga