sexta-feira, 20 de maio de 2016

Aquífero na Amazônia pode ser o maior do mundo, dizem geólogos
Reserva Alter do Chão tem volume de 86 mil km³ de água potável. Quantidade permitiria abastecer população mundial por 100 vezes.
Glauco Araújo Do G1, em São Paulo
Um grupo de pesquisadores da Universidade Federal do Pará (UFPA) apresentou um estudo, na sexta-feira (16), que aponta o Aquífero Alter do Chão como o de maior volume de água potável do mundo. A reserva subterrânea está localizada sob os estados do Amazonas, Pará e Amapá e tem volume de 86 mil km³ de água doce, o que seria suficiente para abastecer a população mundial em cerca de 100 vezes, ainda de acordo com a pesquisa. Um novo levantamento, de campo, deve ser feito na região para avaliar a possibilidade de o aquífero ser ainda maior do que o calculado inicialmente pelos geólogos.
Em termos comparativos, a reserva Alter do Chão tem quase o dobro do volume de água potável que o Aquífero Guarani - com 45 mil km³ de volume -, até então considerado o maior do país e que passa pela Argentina, Paraguai e Uruguai. "Os estudos que temos são preliminares, mas há indicativos suficientes para dizer que se trata do maior aquífero do mundo, já que está sob a maior bacia hidrográfica do mundo, que é a do Amazonas/Solimões. O que nos resta agora é convencer toda a cadeia científica do que estamos falando", disse Milton Matta, geólogo da UFPA.
O Aquífero Alter do Chão deve ter o nome mudado por ser homônimo de um dos principais pontos turísticos do Pará, o que costuma provocar enganos sobre a localização da reserva de água. "Estamos propondo que passe a se chamar Aquífero Grande Amazônia e assim teria uma visibilidade comercial mais interessante", disse Matta, que coordenou a pesquisa e agora busca investimento para concluir a segunda etapa do estudo no Banco Mundial e outros patrocinadores científicos. 
De gota em gota
O geólogo informou que a segunda etapa de pesquisa será a visita aos poços já existentes na região do aquífero. "Pretendemos avaliar o potencial de vazão. Dessa maneira teremos como mensurar a capacidade de abastecimento da reserva e calcular a melhor forma de exploração da água, de maneira que o meio ambiente não seja comprometido", disse
Para Marco Antonio Oliveira, superintendente do Serviço Geológico do Brasil, em Manaus, a revelação de que o Aquífero Alter do Chão é o maior do mundo comprova que esse tipo de reserva segue a proporção de tamanho da Bacia Hidrográfica que fica acima dela. "Cerca de 40% do abastecimento de água de Manaus é originário do Aquífero Alter do Chão. As demais cidades do Amazonas têm 100% do abastecimento tirado da reserva subterrânea. São Paulo, por exemplo, tem seu abastecimento em torno de 30% vindo do Aquífero Guarani."
Oliveira disse que a reserva, na área que corresponde a Manaus, já está muito contaminada. "É onde o aquífero aflora e também onde a coleta de esgoto é insuficiente. Ainda é alto o volume de emissão de esgoto 'in natura' nos igarapés da região."
Recuperação da reserva
Oliveira faz um alerta para a exploração comercial da água no Aquífero Alter do Chão. "A água dessa reserva é potável, o que demanda menos tratamento químico. Por outro lado, a médio e longo prazo, a exploração mais interessante é da água dos rios, pois a recuperação da reserva é mais rápida. A vazão do Rio Amazonas é de 200 mil m³/segundo. É muita água. Já nas reservas subterrâneas, a recarga é muito mais lenta.
Ele destaca a qualidade da água que pode ser explorada no Alter do Chão. "A região amazônica é menos habitada e por isso menos poluente. No Guarani, há um problema sério de flúor, metais pesados e inseticidas usados na agricultura. A formação rochosa é diferente e filtra menos a água da superfície. No Alter do Chão as rochas são mais arenosas, o que permite uma filtragem da recarga de água na reserva subterrânea", disse Oliveira.

Sobre o assunto:
O imenso reservatório de água no subterrâneo da Amazônia

COMENTÁRIOS
José do Patrocínio Tomaz Albuquerque - Hidrogeólogo e Consultor
Prezado amigo João Suassuna.
Quanto ao trabalho do Amazonas, a minha posição é a seguinte: água subterrânea é mais que armazenamento. É, sobretudo, escoamento. Se usar o armazenamento de forma a inviabilizar o escoamento, acabou-se a água subterrânea para a demanda ambiental, aí incluída a manutenção da vida de biomas vegetais e animais e o próprio regime de escoamento de rios perenes e/ou intermitentes. E serão fatais para o uso continuado em demandas socioeconômicas, na medida em que este escoamento de base, componente importante do escoamento fluvial, tende a reduzir-se ou, mesmo, anular-se com o rebaixamento dos níveis de águas subterrâneas contidas em aquíferos, livres ou sob pressão (confinados ou semi-confinados), cujas cargas hidráulicas viabilizam o escoamento vertical ascendente, alimentando aquíferos livres (também chamados de freáticos) ou direto ao mar. 
Mas, sobre o comentário que fiz anteriormente sobre o artigo publicado na Revista FAPESP por Francisco de Assis Matos de Abreu et al, acho que professores da UFPA, ele foi o seguinte (fiz algumas complementações, para torna-lo mais compreensível):
Você sabe que discordo profundamente desta forma de avaliar aquíferos que participam ou integram o que denomino de sistemas aquíferos e que não estão isolados do ciclo hidrológico. Já fiz comentários sobre esta avaliação de reservas em outra ocasião, neste mesmo espaço, se não me falha a memória. Repito que o armazenamento (reserva) é importante na medida em que ele assegura a ocorrência de fluxo de base de cursos d'água, tornando-os perenes ou intermitentes. A exploração de reservas de aquíferos, ditas permanentes (como o são a grande parcela das mesmas) e mesmo de sua parte renovável (é esta a que participa do ciclo hidrológico e que sai aos rios ou escoa direto aos oceanos, subterraneamente, representando a parcela menor) pode inviabilizar o seu fluxo de base, alterando seu regime hídrico, responsável pela manutenção das condições ambientais naturais, isto é, suprimento hídrico de biomas, ribeirinhos ou não. Mas, no noticiário aqui veiculado, há uma parte que revela a absoluta ignorância dos autores do trabalho do que seja ciclo hidrológico. Transcrevo a frase que traduz esse desconhecimento: “A reserva subterrânea representa mais de 80% do total da água da Amazônia. A água dos rios amazônicos, por exemplo, representa somente 8% do sistema hidrológico do bioma e as águas atmosféricas têm, mais ou menos, esse mesmo percentual de participação”, disse Abreu durante o evento." Ora, qual a participação das águas dos rios nas águas atmosféricas? O mesmo percentual de 8%? E as águas atmosféricas, ao se precipitarem, não evapotranspiram, não evaporam e nem há retenção foliar (intercepção) e de raízes do sistema florístico? Sim, deve acontecer tudo isso, e, no caso corresponderia aos 92% do ciclo hidrológico amazônico. Os 8% (se é que é somente isso) representam, apenas, a parte que se converte em escoamento fluvial, com suas parcelas de escoamento direto e de base, já mencionada. E se somente podemos manejar as águas do ciclo em uma fração (e não todo ele, já que as consequências para a vida em geral seriam catastróficas), como ir atrás de reservas de água subterrânea? Aliás, se estas estão à salvo, em sua maior parte do ano (15 metros de profundidade) da evaporação e da evapotranspiração,  inviabilizando a sua contribuição ao ambiente atmosférico (o que seria benéfico para o fluxo de ar saturado que, segundo meteorologistas, respondem pelas chuvas que são transferidas pela frente amazônica às regiões Sudeste e Nordeste, como aumentar, pela exploração, esta profundidade, sem que haja mais reflexos negativos? As águas atmosféricas, na equação do balanço, são responsáveis por 100% de toda a repartição das águas do ciclo hidrológico. E as águas subterrâneas, são, apenas, uma porcentagem do escoamento fluvial proveniente da parcela do armazenamento dito renovável ou sazonal. Qualquer que seja o volume estocado, a contribuição ao escoamento fluvial e ao marinho será sempre o mesmo, dependendo das condições de recarga e de circulação, uma consequência das relações de cargas hidráulicas entre os componentes do ciclo hidrológico, mais especificamente entre as magnitudes das cargas hidráulica dos rios, aquíferos e dos oceanos. Portanto, são estas avaliações desprovidas de fundamentos científicos e técnicos que considero, inclusive, uma falácia das mais levianas que se possa cometer!

Abraços,
Patrocínio

Hugo Penteado - Ambientalista
Aí vamos fazer o que fizeram os EUA depois do aterrorizante "dust bowl" dos anos 40 quando eles devastaram a vegetação natural de quatro estados gigantes.  Comeram toda a água do aquífero Ogallala. Nasa constatou esse que não há mais água nele e ficou aterrorizado com essa descoberta.  Ou seja, destruímos os catalisadores de água que são a vegetação natural, acabamos com a água de superfície, para sugarmos a das entranhas da Terra.  Como seres parasitários que somos para atender o desenvolvimento econômico do consumicídio, desafiamos leis básicas da física, além de ignorarmos a finitude do planeta e da água disponível. Mantemos um crescimento inabalável num planeta finito, só para provar que somos das duas uma: ou loucos ou economistas (parafraseando a famosa frase de Kenneth Boulding). CBHSF abre plenária com apelo pela revitalização do rio São Francisco O presidente do Comitê da Bacia Hidrográfica do Rio São Francisco, Anivaldo Miranda, abriu às 10 horas desta quarta-feira,
CC
Danilo Rocha Jornal Correio Alexandro Mota Folha de São Paulo joilsonpaz.pe@dabr.com.br e 49 mais...
CCO
alipiocfilho@yahoo.com.br

Dez 9 em 1:47 PM 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Aventura Selvagem em Cabaceiras - Paraíba

Rodrigo Castro, fundador da Associação Caatinga, da Asa Branca e da Aliança da Caatinga

Bioma Caatinga

Vale do Catimbau - Pernambuco

Tom da Caatinga

A Caatinga Nordestina

Rio São Francisco - Momento Brasil

O mundo da Caatinga