domingo, 24 de agosto de 2014

Nordeste exporta energia para o Sudeste Ajuda é pequena, porém simbólica: ocorre pela primeira vez na história da região. http://jconline.ne10.uol.com.br/canal/economia/pernambuco/noticia/2014/08/12/nordeste-exporta-energia-para-o-sudeste-139874.php Giovanni Sandes Produção de térmicas é a maior pressão na conta de luz A crise da água no Sudeste trouxe um marco simbólico para o setor elétrico do Nordeste, que este mês deixou a condição histórica de importador de energia de outras áreas do País para exportar eletricidade. Desde o início de agosto a região já enviou, em três dias diferentes, energia para ajudar a socorrer a chamada caixa d’água do País, o Sudeste, onde a população e as hidrelétricas sofrem sem chuvas. A ajuda é pequena, mas surpreende especialistas pelo significado histórico e por ser motivo de alerta. O socorro vem do acionamento máximo das usinas térmicas, caras, poluentes e principais responsáveis pelo arrocho no preço da energia que já começa a pipocar no País – e que vai pesar em Pernambuco do ano que vem até 2017. Leia Também  Térmicas superam hidrelétricas no Nordeste Dados do Operador Nacional do Sistema (ONS), responsável por coordenar o funcionamento de usinas e linhas de transmissão do Brasil inteiro, mostram que as térmicas do Nordeste bateram novo recorde no último sábado, ao produzir 4.589 megawatts-médios de energia. Foi mais da metade do necessário para a região, em época de chuvas e consumo baixo de energia. Durante todo o fim de semana, bem como no último dia 2, a região gerou um pequeno excedente, de 2% de sua produção, e enviou para o Sudeste por linhas de transmissão. No Brasil, o sistema elétrico é interligado e permite a troca de energia entre regiões. Por ter base não na tradicional energia hidrelétrica, limpa e mais barata, e sim na térmica, a exportação de eletricidade preocupa. “Isso não é bom. É péssimo para o Nordeste e para o Brasil”, explica Conceição Cavalcanti, consultora em Regulação e Comercialização da C&T Assessoria e Gestão de Energia. “O Nordeste aumentou ao máximo a geração térmica para manter equilibrado o sistema elétrico nacional. Isso encarece ainda mais o custo da energia”, comenta. As térmicas geram eletricidade com a queima de gás ou óleo e podem ser ligadas a qualquer momento. Assim, elas se multiplicaram após o racionamento de 2001, causado justamente pela falta de chuvas, para dar segurança ao País. Mas são poluentes e caras e viraram um “seguro-apagão”, uma RESERVA . Desde setembro de 2012, contudo, a seca que afeta o Nordeste e o Sudeste motivou o uso regular das usinas. “A situação hídrica difícil não é do Sudeste ou Nordeste. É do Brasil inteiro”, afirma José Antônio Feijó, do Instituto Ilumina. Ele diz não lembrar de o Nordeste já ter exportado energia. “É um fato bastante inusitado”, comenta. Confira a íntegra da reportagem no JC desta terça-feira (12). Confira o Balanço de Energia AQUI COMENTÁRIOS João Suassuna - Pesquisador da Fundação Joaquim Nabuco, Recife A prova, mais do que clara, de que o Rio São Francisco não poderá dispor de seus volumes para o abastecimento do povo, por intermédio do projeto da transposição de suas águas. A seca é generalizada e está podo em risco todo o sistema gerador do país. Acertamos mais uma vez em nossas previsões decanas. Ora, esse envio de energia das termelétricas, do Nordeste para a região Sudeste, é a assinatura do atestado de incompetência de nossas autoridades no que diz respeito às causas sanfranciscanas. Mesmo com essa deficiência hídrica generalizada, não se surpreendam com a existência de proposta de envio de água do Velho Chico para a solução dos problemas de abastecimento dos paulistanos. Ninguém merece! por João Suassuna — Última modificação 12/08/2014 17:53

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Aventura Selvagem em Cabaceiras - Paraíba

Rodrigo Castro, fundador da Associação Caatinga, da Asa Branca e da Aliança da Caatinga

Bioma Caatinga

Vale do Catimbau - Pernambuco

Tom da Caatinga

A Caatinga Nordestina

Rio São Francisco - Momento Brasil

O mundo da Caatinga