terça-feira, 25 de fevereiro de 2014

Governo admite falta de energia.

Chuvas e o volume de água que chega aos reservatórios do País foram inferiores ao esperado.
Correio da Paraíba - Edição de 14/02/2014
 
Brasília - Pela primeira vez, o governo mudou o tom em relação aos recorrentes problemas de  energia elétrica que ocorreram nos últimos meses e admitiu o risco de desabastecimento. Em nota divulgada ontem pelo Ministério de Minas e Energia, no trecho final, em que o governo assegura a normalidade no fornecimento de eletricidade este ano, a garantia é condicionada a fatores climáticos e ao consequente comportamento dos reservatórios das hidrelétricas.
"Portanto, a não ser que ocorra uma série de vazões pior do que as já registradas, evento de baixíssima probabilidade, não são visualizadas dificuldades no suprimento de energia no País em 2014", diz o comunicado.
A nota foi divulgada durante reunião do Comitê de Monitoramento do Setor Elétrico (CMSE). O secretário de Energia Elétrica do Ministério, Ildo Grudtner, limitou-se a ler o comunicado, sem responder às perguntas dos jornalistas.
O teor da nota oficial contrasta com as recentes afirmações do ministro de Minas e Energia, Edison Lobão. Um dia antes do apagão do dia 4 de fevereiro, Lobão disse que o risco de desabastecimento era nulo. "Estamos com mais de 40% nos principais reservatórios. Não enxergamos nenhum risco de desabastecimento de energia. Risco zero", afirmou na ocasião.
O governo confirmou que as chuvas e o volume de água que chega aos reservatórios das hidrelétricas do País foram inferiores ao esperado. Segundo o comitê, em janeiro e na primeira semana de fevereiro, as afluências ficaram em 54% da média histórica nas regiões Sudeste/Centro-Oeste e de 42% no Nordeste.
Ainda assim, o ministério reiterou que há segurança e equilíbrio estrutural. Segundo o governo, há uma sobra de energia de 9% em relação às projeções feitas para o ano.
 
Sobre o assunto:


País pode conviver com novos apagões
 
Nordeste tem déficit de geração de energia
 
O apagão voltou! artigo de João Suassuna
 
Geração de energia elétrica do Nordeste: uma pilha fraca no final do túnel, artigo de João Suassuna
Risco de um novo racionamento de energia elétrica? artigo de Heitor Scalambrini Costa
Racionamento de energia pode vir logo
Obras que poderiam proteger o sistema elétrico brasileiro de apagões estão atrasadas.
Nível de reservatórios das hidrelétricas ainda é baixo
Energia regula destino político da presidente Dilma Rousseff
É baixo o nível de águas em reservatórios de hidrelétricas no Brasil
Situação volumétrica dos reservatórios das hidrelétricas da CHESF - 10/05/2013
Matriz de energia em pane
 
COMENTÁRIOS
João Suassuna - Pesquisador da Fundação Joaquim Nabuco, Recife
Já é um bom começo, o reconhecimento do governo, de que um dos problemas dos apagões vividos na atualidade pode ter sido ocasionado pela insuficiência hídrica nos reservatórios das hidrelétricas. Os motivos que vinham sendo alegados pelas autoridades já estavam pondo o governo em situação vexatória. Em próximos eventos de falta de energia, é prudente que não se culpem os raios trelosos, nem, tampouco, as operações inadvertidas de funcionários do setor elétrico. O povo já está esclarecido, o suficiente, para começar a rir dessas estultices. Precisamos torcer, isso sim, para que os períodos chuvosos aconteçam de forma satisfatória, para a pronta recuperação dos reservatórios.
 
 
 
 
 
por João SuassunaÚltima modificação 24/02/2014 09:53

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Aventura Selvagem em Cabaceiras - Paraíba

Rodrigo Castro, fundador da Associação Caatinga, da Asa Branca e da Aliança da Caatinga

Bioma Caatinga

Vale do Catimbau - Pernambuco

Tom da Caatinga

A Caatinga Nordestina

Rio São Francisco - Momento Brasil

O mundo da Caatinga